WeCreativez WhatsApp Support
O MAIOR PORTAL DE NOTICIAS DO MARANHÃO
ᴄᴇɴᴛʀᴀʟᴅᴇɴᴏᴛɪᴄɪᴀꜱ.ʀᴀᴅɪᴏ.ʙʀ
BrasilPolítica

Bolsonaro faz reunião ‘virtual’ por pacto com 6 países da Amazônia

Durante os discursos, os presidentes reforçaram a necessidade de trabalhos conjuntos para preservar a floresta.

O presidente Jair Bolsonaro participou nesta sexta-feira (6) de uma reunião de chefes de estados de países sul-americanos com territórios cobertos pela floresta amazônica. O encontro foi realizado na Colômbia. A participação de Bolsonaro foi por meio de uma videoconferência a partir do Palácio do Planalto.

Sete dos oito países cobertos pela Amazônia discutiram na reunião ações de preservação da floresta. A Venezuela não participou. Segundo o governo colombiano, os países deverão firmar o “Pacto de Leticia pela Amazônia”, com uma série de medidas a serem executadas pelos países da região e pela comunidade geral.

Durante os discursos, os presidentes reforçaram a necessidade de trabalhos conjuntos para preservar a floresta. Ao abordar a ideia de cooperação, chefe de estado da Bolívia, Evo Morales, criticou a ausência do presidente venezuelano Nicolás Maduro – parte dos países, o Brasil entre eles, não reconhece o governo de Maduro.

“Como é possível por diferenças ideológicas estarmos distantes? Por cima das diferenças, estão os direitos da mãe terra”, disse.

Soberania
Anfitrião, o presidente colombiano Iván Duque defendeu ações coordenadas entre os países para combater o desmatamento e incêndios na floresta, respeitando a soberania de cada estado.

Em seu discurso de cerca de dez minutos, Bolsonaro voltou a criticar as demarcações de terras indígenas no Brasil e alertou para o que considera uma ameaça, por parte de países desenvolvidos como a França, à soberania dos estados nacionais da região amazônica.

“Nós temos que dizer que a Amazônia é nossa. […] Só dessa forma, com a nossa união, sem nenhum momento ceder a qualquer tentação externa de deixar sob administração de terceiro a nossa área, é que nós podemos fazer com que essas riquezas revertam em forma de benefícios, em forma de bem-estar para os nossos povos”, afirmou.

Para o presidente, o pacto que será firmado na Colômbia precisa deixar claro que a soberania dos países cobertos pela floresta é “inegociável” e que as nações explorarão as riquezas da Amazônia.

“Então, espero que nesse acordo que estamos assinando aí agora, nesse tratado, nessa mensagem que será divulgada para todo o mundo, seja acima de tudo a soberania de cada um de nós é inegociável e que as nossas riquezas nós as exploraremos de forma sustentável com os recursos que nós temos e com a política que cada um de nós pode exercer”, declarou.

O presidente criticou o que chamou de “indústria das demarcações de terras indígenas”, que, segundo ele, foi incentivada por governos de esquerda. A política ambiental passada teria deixado ameaçada a soberania do Brasil na Amazônia.

Bolsonaro afirmou que as críticas feitas pelo presidente francês Emmanuel Macron mostraram que há um “plano”, que segue no “tabuleiro do jogo”, para transformar a floresta em “patrimônio mundial”. Segundo ele, a situação despertou o “patriotismo” dos brasileiros em relação à floresta.

Bolsonaro ainda enfatizou a necessidade de explorar as riquezas da floresta, como recursos minerais, que despertam o interesse de outros países. O presidente disse que os estados amazônicos não podem continuar a ser exportador de commodities.

Participaram da reunião representantes da Guiana e do Suriname e os presidentes de quatro países:

  • Colômbia (presidente Iván Duque);
  • Peru (presidente Martín Vizcarra);
  • Equador (presidente Lenín Moreno);
  • Bolívia (presidente Evo Morales).

Recomendações médicas
Bolsonaro chegou a anunciar a ida à reunião, porém, por recomendações médicas, não viajou e enviou o chanceler Ernesto Araújo ao encontro, que ocorreu em Leticia, cidade na região amazônica do país, na tríplice fronteira com Brasil e Peru.

O presidente passará pela quarta cirurgia desde que sofreu uma facada no abdômen, há um ano, durante a campanha eleitoral de 2018. O novo procedimento corrigirá uma hérnia (saliência de tecido) surgida no local de intervenções anteriores.

O encontro foi idealizado em meio à crise ambiental e política provocada pelo aumento das queimadas na floresta. Ao anunciar que iria à reunião, na semana passada, Bolsonaro disse que a intenção era discutir uma “política única” de preservação e desenvolvimento da região.

Deixe Aqui Seu Comentário
Rei dos Reis - Cortina
Etiquetas
Ler Mais

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RELACIONADAS

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock Detected

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios