GRANDE RIO HONDA
CiênciaCovid-19Destaques

Estudo reafirma baixo risco de se pegar Covid-19 em avião

Ainda segundo o estudo, o baixo risco só é válido para se todos os passageiros usarem máscaras

Um novo estudo divulgado na quinta-feira (15) sugere que as pessoas não precisam se preocupar com a circulação do novo coronavírus no ar em aviões.

O estudo do Departamento de Defesa dos Estados Unidos corrobora o que se concluiu em pesquisas anteriores, mostrando que os sistemas de ventilação das aeronaves filtram o ar de maneira eficiente e removem partículas que podem transmitir vírus.

O estudo, divulgado ainda sem revisão por pares, não levou em consideração outras maneiras pelas quais as pessoas podem pegar o vírus em aeronaves – incluindo outras pessoas tossindo ou respirando diretamente sobre elas, em superfícies ou em espaços confinados, como banheiros.

O Comando de Transporte dos EUA, a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA) e o Comando de Mobilidade Aérea usaram aeronaves Boeing 777-200 e 767-300 carregados com sensores destinados a duplicar o efeito de um voo de passageiros totalmente cheio.

Um manequim usando uma máscara cirúrgica simulou um passageiro com tosse infectado com um vírus respiratório.

A equipe usou rastreadores de aerossol fluorescentes para ver para onde as partículas emitidas pelo “passageiro” com tosse foram. Eles foram sugados rapidamente para o sistema de ventilação, concluiu a equipe, e dificilmente contaminariam as superfícies próximas ou explodiriam nas zonas de respiração das pessoas sentadas ao redor.

“Os testes presumem que, se o uso da máscara for contínuo, o número de pessoas infectadas é baixo”, escreveu a equipe de pesquisa. “A contaminação de superfícies por vias não aerossóis (gotas grandes ou contaminação fecal) é mais provável em banheiros e outras áreas comuns e isso não foi testada aqui”, acrescentaram.

“Essas rotas alternativas de exposição são mais desafiadoras de prever por causa da incerteza no comportamento humano.”

Outros relatórios descobriram que pessoas infectadas com o novo coronavírus em voos talvez tenham contraído o vírus quando tiraram as máscaras para usar os banheiros.

“Os testes não incluíram movimentos substanciais em todo o avião ou no aeroporto, saguão ou ponte, onde as taxas de troca de ar e as interações humanas variam”, acrescentaram os pesquisadores.

“Da mesma forma, o manequim permaneceu voltado para a frente, a incerteza no comportamento humano com as conversas e o comportamento pode mudar o risco e a direcionalidade nos assentos mais próximos de uma pessoa, especialmente para gotas grandes.”

Muito a aprender

Muito ainda se desconhece sobre a transmissão da Covid-19 a bordo de aviões. Dois estudos anteriores documentaram casos reais de suspeita de transmissão a bordo de voos.

Ambos os estudos envolveram casos relacionados a voos longos no início da pandemia, antes que as companhias aéreas começassem a exigir máscaras faciais.

Outro estudo documentando um caso de suspeita de transmissão de coronavírus a bordo de um vôo envolveu uma mulher que usou uma máscara N95 durante o voo, exceto quando ela usou o banheiro.
Um passageiro sentado a três fileiras de distância que desenvolveu o novo coronavírus, mas nunca apresentou sintomas, também usou o banheiro.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) observam que “a maioria dos vírus e outros germes não se espalham facilmente em voos por causa de como o ar circula e é filtrado nos aviões”, acrescentando que a falta de distanciamento social em voos lotados que podem exigir que os passageiros se sentem a seis pés de outras pessoas por longos períodos “pode ??aumentar o risco de contrair Covid-19.”

As informações são da CNN

Deixe Aqui Seu Comentário
Minuto SEBRAE - MA
Etiquetas
Ler Mais

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

RELACIONADAS

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios