PolíticaPrincipais Destaques

Juíza que decidiu pela inelegibilidade do governador Flávio Dino pede afastamento de entidade

Desde a divulgação da sua decisão, a juíza Anelise Reginato tem sido alvo de duras críticas.

Reportagem
Teresa Cristina

A juíza da 8ª Zona Eleitoral de Coroatá, Anelise Nogueira Reginato encaminhou à Associação dos Magistrados do Maranhão (AMMA) um ofício comunicando a sua desfiliação da entidade.

A juíza alega que a Associação dos Magistrados está sendo omissa diante dos fatos recentes em relação à defesa de alguns magistrados.

A juíza Anelise Nogueira Reginato, decretou, na última terça-feira (08), a inelegibilidade do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) por oito anos, por abuso de poder econômico nas últimas eleições municipais.

A sentença também decretou a inelegibilidade do ex-secretário de articulação política, Marcio Jerry, e cassou o diploma do prefeito de Coroatá, Luís Amovelar e do vice Domingos Alberto.

Desde a divulgação da sua decisão, a juíza Anelise Reginato tem sido alvo de duras críticas.

Sem apoio, Analise Reginato decidiu se afastar da entidade.

A AMMA manifestou repúdio às agressões à juíza Anelise e esclarece que a função de julgar é árdua e, para tanto, é necessário preservar incondicionalmente a independência da magistrada que, independentemente de interesses políticos e disputas eleitorais, cumpre a sua missão constitucional de dizer o direito, observando os limites do processo legal.

A Associação dos Magistrados esclarece, ainda, que adotará todas as medidas jurídicas cabíveis no sentido de responsabilizar aqueles que achacam a juíza Anelise Reginato.

ENTENDA O CASO

Anelise Nogueira Reginato, juíza eleitoral de Coroatá, determinou na última segunda-feira (06) a inelegibilidade por oito anos, do Governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), por suposto abuso do poder econômico nas eleições municipais de 2016.

A decisão é de primeira instância e passível de recurso ao Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA) e demais instâncias superiores.

O processo foi movido pela Coligação “Coroatá com a força de todos”, da ex-prefeita da cidade, Teresa Murad, esposa do ex-secretário de saúde, Ricardo Murad.

Na ação, Flávio Dino é acusado de usar o programa de asfaltamento de ruas do Governo Estadual para beneficiar o candidato Luis Mendes Ferreira Filho nas últimas eleições municipais.

Na mesma ação, a juíza eleitoral decretou ainda a inelegibilidade do ex-secretário de Assuntos Políticos do Governo do Estado, Márcio Jerry e determinou a cassação do diploma do prefeito de Coroatá, Luis Mendes Ferreira Filho e do vice, Domingos Alberto Alves de Sousa.

Logo que a notícia ganhou repercussão, a magistrada deletou sua conta pessoal no Facebook, após circularem nas redes sociais, um print de sua página após a mesma afirmar que se sentia em casa, ao fazer o checkin em uma empresa de propriedade da família Sarney, grupo político derrotado pelo atual governador do Maranhão, Flávio Dino.

Deixe Aqui Seu Comentário
Tags
Ler Mais

RELACIONADAS

Close
Close