Breve panorama das eleições na Alemanha

Por Dayane Lima - Correspondente de Berlim

No último domingo (26.09.2021), aconteceram as eleições para o Bundestag alemão, ou seja, eleições para definir o parlamento federal na Alemanha. O resultado dessa eleição define, entre outros pontos importantes para a atual política alemã, quem sucederá Angela Merkel, que desde de novembro de 2005 é a Chanceler do país.

Depois de 16 anos no poder como Chanceler alemã, as eleições neste final de semana marcam o fim da carreira política de Merkel, líder de uma das maiores economias mundiais e maior influência dentro e fora do seu partido, União Democrata Cristã (CDU). Assim, a campanha foi dominada não somente por intensos debates sobre mudança climática, imigração principalmente sobre a questão dos refugiados e gerenciamento da pandemia como também pela incerteza do futuro da economia alemã pós-Merkel.

Campanha eleitoral nas ruas de Berlim Foto: Dayane Lima

Na Alemanha, diferentemente que no Brasil, os eleitores nas eleições do parlamento federal votam em partidos. Por isso, mesmo com os resultados preliminares ainda não está definido quem comandará o país e principalmente como, pois para obter a maioria dos votos no parlamento, é possível que os principais partidos se unem para compor uma possível coalizão para governar a Alemanha.

Os próximos dias serão decisivos para definir o futuro político na Alemanha. Assim, os primeiros resultados apontam uma forte disputa entre a União Democrata Cristã (CDU), o partido de Merkel, que disputa com Armin Laschet, e o Partido Social-Democrata (SPD), que tem como candidato à Chancelaria Federal Olaf Scholz.

Em uma visão geral, até a tarde desta segunda-feira (27.09.2021) os resultados preliminares indicam que o Partido Social-Democrata (SPD) terá em torno de 206 das 735 cadeiras no parlamento, enquanto a União Democrata Cristã (CDU), o partido de Merkel detendrá 151 cadeiras. Logo em seguida, o Partido Verde (Die Grüne) contará com 118 vagas. Já o Partido Liberal Democrata (FDP) e o Partido Alternativa para Alemanha (AfD) ganharão 92 e 83 cadeiras, respectivamente.  A União Social-Cristã (CSU) até o momento conta com 45 vagas e candidatos sem partido contam apenas uma vaga.