Covid-19: Maranhão anuncia terceira dose de vacina a partir de 15 de setembro

Medidas visa conter a transmissão da variante Delta

O Governo do Maranhão anunciou, para o dia 15 de setembro, o início da aplicação da terceira dose de vacina contra a Covid-19 para idosos e imunossuprimidos. 

A administração de dose de reforço foi autorizada pelo Ministério da Saúde a partir de uma solicitação do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS), presidido pelo secretário de Estado da Saúde do Maranhão, Carlos Lula. 

Nesta primeira etapa, deve receber uma vacina dos idosos com mais de 70 anos e como pessoas imunossuprimidas que tomaram uma segunda dose da vacina há pelo menos seis meses. Entre os imunossuprimidos estão pacientes renais crônicos, pessoas em tratamento contra câncer ou doenças como o HIV.

“A terceira dose já vem aplicada em outros países e vínhamos debatendo o assunto no âmbito do CONASS. A necessidade da dose de reforço à população mais frágil foi apresentada pelo conselho ao Ministério da Saúde, a fim de ampliar a proteção da população brasileira. Em paralelo a esse trabalho, seguimos incentivando e alertando as pessoas para que tomem a segunda dose da vacina, que garante a proteção contra a doença ”, destaca o secretário Carlos Lula. 

Independente do imunizante utilizado na primeira e segunda dose, para uma dose de reforço será utilizada uma dose de vacina da Pfizer, considerando estudos científicos e experiências de outros países, que indica que uma dose terceira da vacina pode aumentar a proteção contra casos graves e hospitalizações entre idosos. 

A terceira dose será disponibilizada ao público-alvo gradativamente, de acordo com o envio das doses pelo Ministério da Saúde e o cronograma de aplicação estabelecida pelos municípios. 

Variante Delta

Medidas como a aplicação da dose de reforço e a redução do intervalo entre a primeira e a segunda dose das vacinas da AstraZeneca e da Pfizer (de 12 para 8 semanas) visam conter a transmissão da variante Delta, já em circulação no país e predominante em estados como o Rio de Janeiro.  

“A variante Delta é uma preocupação no estado. Ainda não temos da variante no Maranhão, mas todas as medidas estão sendo tratadas para proteger a população maranhense. Por isso, nosso apelo é para que todos se vacinem com as duas doses e para que os idosos e imunossuprimidos busquem uma dose de reforço conforme o cronograma de seu município ”, alertou o secretário.