New York Times libera ranking de melhores filmes de 2022

Lista conta com filmes de diversas nacionalidades e gêneros.

O The New York Times liberou, nesta segunda-feira (6), sua lista com os dez melhores filmes de 2022. A seguir, confira o ranking completo com suas respectivas sinopses e onde assiti-los:

1. “EO” (Jerzy Skolimowski)

Segue um burro que encontra em suas viagens pessoas boas e más, experimenta alegria e dor, explorando uma visão da Europa moderna através de seus olhos. (breve nos cinemas)

2. “Pequena Mamãe” (Céline Sciamma)
Nelly, garota de oito anos de idade, acaba de perder a avó, e ajuda os pais a arrumar a casa em que a falecida morava. Ela explora a residência e os arredores onde está construída uma casa na árvore. Certo dia, a menina encontra uma garota de sua idade na floresta. As duas descobrem que têm muito mais em comum do que imaginavam. (Prime Video, Apple TV, YouTube e Google Play Filmes e TV)

3. “Não! Não Olhe!” (Jordan Peele)
Os cuidadores de um rancho de cavalos na Califórnia encontram uma força misteriosa que afeta o comportamento humano e animal. (Prime Video, Apple TV, YouTube e Google Play Filmes e TV)

4. “No Bears” (Jafar Panahi)
Duas histórias de amor paralelas em que os parceiros são frustrados por obstáculos ocultos e inevitáveis. A narrativa apresenta a força da superstição e a mecânica do poder. (não disponível)

5. “Kimi: Alguém Está Escutando” (Steven Soderbergh)
E se cada respiração, cada som, cada momento fosse registrado? Durante a pandemia de Covid-19 em Seattle, uma agorafóbica que trabalha com tecnologia descobre evidências de um crime violento ao revisar um fluxo de dados e encontra resistência e burocracia quando tenta denunciá-lo à sua empresa. Para se envolver, ela percebe que deve enfrentar seu maior medo saindo de seu apartamento e indo para as ruas da cidade, que estão cheias de manifestantes depois que a Câmara Municipal aprova uma lei que restringe os movimentos da população sem-teto. (HBO Max, Apple TV, YouTube e Google Play Filmes e TV)

6. “The Eternal Daughter” (Joanna Hogg)
Uma mulher de meia-idade e sua mãe idosa devem confrontar segredos há muito enterrados quando retornam à antiga casa da família, antes uma mansão imponente que se tornou um hotel quase vazio, mas cheio de mistérios. (não disponível)

7. “O Acontecimento” (Audrey Diwan)
O Acontecimento é adaptado do romance de Annie Ernaux, e se passa numa França de 1963, ainda quando o aborto era ilegal no país. Anne é uma estudante com um futuro promissor, e quando descobre que está grávida, ela imediatamente insiste na interrupção, mas seu médico avisa sobre as leis implacáveis ​​contra procurar ou ajudar abortos, e suas tentativas de chegar a seus amigos mais próximos são rejeitadas. À medida que as semanas passam, sem apoio ou acesso, uma Anne cada vez mais desesperada persiste inabalavelmente em buscar qualquer meio possível de interromper a gravidez na esperança de recuperar seu futuro. O longa detalha direta e graficamente não apenas os perigos e indignidades da busca angustiante de Anne, mas também como a indiferença ao redor aumenta sua situação, imergindo-nos na certeza de sua personagem de que o fracasso em interromper esta gravidez certamente seria o fim de sua vida também. (HBO Max)

8. “Decisão de Partir” (Park Chan-wook)
Em Decisão de Partir, Hae-joon (Park Hae-il) é o mais jovem inspetor do departamento de polícia de Busan. Nos fins de semana, ele vive em uma cidade litorânea enevoada com sua amada esposa, mas durante a semana na cidade ele é tão dedicado ao seu trabalho que faz vigias todas as noites em vez de dormir. Mas, sua vida começa a se complicar quando o corpo de um alpinista é encontrado na base de uma montanha rochosa íngreme. Depois de um episódio maluco em que Hae-joon e seu chefe usam uma polia motorizada para subir a encosta da montanha, eles se perguntam se o morto caiu ou se foi empurrado. O principal suspeito é a viúva do homem, Seo-rae (Tang Wei), uma bela imigrante chinesa que não parece nem um pouco chateada com sua morte. Mas, como poderia Seo-rae, uma cuidadora adorada por seus clientes idosos, ser a principal suspeita do assassinato. Ela não poderia ter cometido assassinato, poderia? (não disponível)

9. “Expedition Content” (Erns Karel e Veronika Kusumaryati)
Em 1961, o cineasta Robert Gardner organizou a Expedição Harvard Peabody para a Nova Guiné Holandesa (atual Papua Ocidental). Financiada pelo governo colonial holandês e doações privadas, e consistindo em vários dos membros mais ricos da sociedade americana empunhando câmeras de filme de 16 mm, câmeras fotográficas, gravadores de bobina a bobina e um microfone, a expedição se estabeleceu por cinco meses no Vale de Baliem, entre o povo Hubula (também conhecido como Dani). Isso resultou no altamente influente filme de Gardner, Dead Birds, em dois livros de fotografias, no livro de Peter Matthiessen, Under the Mountain Wall, e em duas monografias etnográficas. Michael Rockefeller, membro da quarta geração da família Rockefeller (Standard Oil), foi encarregado de tirar fotos e gravar sons dentro e ao redor do mundo Hubula. Expedition Content é um trabalho de som aumentado composto a partir das 37 horas de fita do arquivo que documentam o estranho encontro entre a expedição e o povo Hubula. A peça reflete sobre momentos históricos entrelaçados e complexos no desenvolvimento de abordagens para a antropologia multimodal, nas vidas de Hubula e de Michael, e na história contínua do colonialismo na Papua Ocidental. (não disponível)

10. “All The Beauty and the Bloodshed” (Laura Poitras)
Uma história épica e emocionante sobre a artista e ativista Nan Goldin, contada através de entrevistas, fotografias e imagens raras de sua luta para responsabilizar a família Sackler pela crise de opioides nos EUA. Dirigido pela cineasta vencedora do Oscar Laura Poitras, o filme entrelaça o passado e o presente de Goldin, o profundamente pessoal e o urgentemente político de suas ações e exposições. (não disponível)