O POVO FICARÁ LONGE DA 5G?

Por José Reinaldo Tavares

 

Se os governos não intervierem, a 5G aumentará a desigualdade social. Simplesmente, porque as escolas não foram priorizadas e os telefones, de última geração capazes de receber o sinal 5G, são muito caros e poucos terão condições de ter um. O presidente da Vivo, uma das vencedoras no leilão, alertou que estava preocupado com esse problema e não via solução à vista.

Se só os de renda maior tiverem acesso a essa tecnologia, os mais pobres serão muito prejudicados. Aumentará o fosso da desigualdade social. E as crianças e os pequenos empresários e empreendedores serão os mais prejudicados. Terão dificultado o acesso à saúde, à boa educação, ou seja, o resultado geral, para todos, não será bom. É preciso haver uma solução para esse problema e acredito que terá que ser com uma limpeza do orçamento federal, um enxugamento, eliminando tantos penduricalhos que continuam, ano após ano, fazendo parte do orçamento, sem nunca terem sido avaliados, para saber se aquele programa trás algum benefício importante. Assim, muitos desses programas inócuos seriam descontinuados, abrindo caminho para que fossem adquiridos esses celulares para os estudantes. O benefício seria enorme, principalmente se fossem colocadas contrapartidas que esses alunos teriam que cumprir para continuar merecendo o acesso ao 5G.

Se esse desempenho fosse acompanhado com rigor, o resultado seria muito bom. Ganharia toda a sociedade. Não há dúvidas de que esse programa teria recursos suficientes, com um escalonamento da oferta, progressivamente ano a ano.

Alguma coisa tem que ser feita ou teremos um aumento na desigualdade social, o que impede ou dificulta o desenvolvimento.

 


José Reinaldo Tavares é ex-governador do Maranhão e ex-deputado federal por dois mandatos