Vereadores de São Luís manifestam apoio ao voto impresso

Chaguinhas (Podemos), Marquinhos (DEM) e Karla Sarney (PSD) defendem a transparência como principal critério.

Os vereadores Chaguinhas (Podemos), Marquinhos (DEM) e Karla Sarney (PSD) manifestaram-se favoráveis ao voto auditável em plenário, nesta segunda-feira (09), durante sessão ordinária da Câmara de Vereadores de São Luís.  Os vereadores elencaram a transparência como principal justificativa para o retorno do voto impresso.

Chaguinhas lamentou a pouca repercussão do tema na capital e manifestou sua defesa. “Não podemos fechar os olhos para uma discussão que é pertinente, o voto auditável será mais uma camada de transparência que o eleitor terá”, declarou.

O vereador Marquinhos cumprimentou e concordou com as palavras do parlamentar. “Quero parabenizar meu colega, vereador Chaguinhas, pelas palavras e deixar registrado aqui que sou totalmente a favor do voto auditável”, pontuou.

Karla Sarney (PSD), que chegou a participar, em Brasília, de manifestação favorável à causa também expressou sua opinião. “Venho defendendo a pauta, sou a favor, por causa da transparência e do momento que estamos vivendo. Sou de um partido que possui posição contrária, mas que nos deixa bastante a vontade para nos manifestar”, explicou Karla.

PEC 135/2019

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC 135/2019) visa acrescentar o § 12 ao art. 14, da Constituição Federal, dispondo que, na votação e apuração de eleições, plebiscitos e referendos, seja obrigatória a expedição de cédulas físicas, conferíveis pelo eleitor, a serem depositadas em urnas indevassáveis, para fins de auditoria. A deputada Bia Kicis (PSL) é a autora da proposta, que teve como relator o deputado Filipe Barros (PSL), ambos integram a base governista.

A PEC repercutiu novamente no cenário nacional, após ter sido rejeitada em comissão especial, criada para debater o tema pela Câmara dos Deputados, na semana passada.

Mesmo com a rejeição na comissão o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), decidiu encaminhar a proposta para apreciação dos 513 deputados.